sexta-feira, 30 de maio de 2014

O homem produz para a sua eleição e salvação?





Constantemente se ouve entre os arminianos a ideia de que no calvinismo o homem também coopera com Deus PARA a eleição e salvação.  Quando o arminiano é confrontado com a objeção de que "no arminianismo o homem e Deus são os autores da salvação pois cooperam PARA a eleição e salvação do homem", ele rapidamente dirá: " mas no calvinismo há também cooperação entre o homem e Deus, visto que o homem precisa crer para ser salvo".  Pois é, para os arminianos, até mesmo a eleição e a salvação no calvinismo é sinergista; isto é, o homem e Deus cooperam no ato eletivo e salvífico. 


Buscarei refutar a afirmação arminiana de que "o calvinismo também é sinergista" levando em conta as visões de eleição e salvação nas duas cosmovisões. 

No arminianismo, a eleição é condicional e se deu antes da fundação do mundo. Ou seja, Deus, antes do tempo, previu a fé de certos homens no decorrer do tempo e escolheu estes para a salvação. A eleição é baseada ou condicionada à fé prevista. Já no calvinismo, a eleição é incondicional e também se deu antes da fundação do mundo. Ou seja, Deus, antes do tempo, sem levar em conta nenhuma ação do homem elegeu para a fé, e não por causa da fé. A eleição é baseada exclusivamente na vontade soberana de Deus. 

Então está claro que, para as  duas cosmovisões teológicas em análise, os homens devem crer(ter fé) para serem salvos.  Mas  talvez alguns, apesar do que foi escrito até aqui, ainda não tenham percebido onde mora a incoerência da argumentação arminiana que diz que o "calvinismo também é sinergista".

Então, onde se encontra a diferença entre uma e outra cosmovisão  no que diz respeito a uma ser sinergista, no caso a cosmovisão arminiana, e a outra ser monergista, no caso a cosmovisão calvinista? Como podemos provar que de fato o calvinismo é monergista? É o que veremos agora!

A diferença entre as duas cosmovisões se encontra justamente no fato de que:

No arminianismo, como já demostrado, Deus elegeu antes da fundação do mundo os que ele previu que teriam a fé. Ou seja, Deus elegeu por CAUSA DA FÉ. Logo, a eleição no arminianismo é de Deus e do homem. De Deus que decidiu as condições(presciência da fé humana) e do homem que confirmou essas condições quando teve fé e passou, por sua escolha,a ser um eleito. Assim sendo, no arminianismo, o homem produz ou produziu PARA a sua eleição. Como também, em determinado momento da presciência de Deus, o homem pôde ser tido como o co-autor de sua eleição. No arminianismo Deus só faz confirmar o que o homem já decidiu para si.

No calvinismo, Deus elegeu incondicionalmente antes da fundação do mundo. Por eleição incondicional não subestimamos o fato de que o " creia e serás salvo"  é necessário para a salvação. Mas isto em um sentido temporal. Em um sentido atemporal, os eleitos já foram escolhidos; e é esta escolha, que se deu antes da fundação do mundo, a causa do “ crer para ser salvo” no decorrer do tempo. Logo, a salvação e eleição  não está e nunca esteve nas mãos do homem, mas nas mãos de Deus que elegeu para a fé Nele. Como também, o homem não produziu ou produz PARA a sua eleição.  A causa da eleição e salvação no calvinismo não se encontra no homem, mas na escolha soberana e atemporal de Deus.

Claro, devemos entender que há uma diferença entre dizer que "o homem produz PARA a eleição e salvação" e que "o homem produz NA eleição e salvação". O calvinismo é sim monergista na salvação; mas, quanto a santificação, muitos calvinistas aceitam um certo tipo de sinergismo.O homem é quem se santifica, não Deus. Mas o homem só santifica-se por ter sido escolhido para isto(Ef 2:10). Sendo assim, o homem não produz PARA a eleição e salvação; no máximo ele produz NA, ou durante a salvação, justamente por ter sido eleito para tais fins. 

É por isso que Paulo diz " operai a VOSSA salvação"(Fl 2:12). Veja, aqui Paulo diz que a salvação já é dos eleitos quando diz "a vossa salvação", mas que mesmo assim devemos operá-la. Ou seja, precisamos operar o que já é nosso e não operar ou produzir PARA a salvação ser nossa.

Fica então claro que o homem não produz PARA a sua eleição e salvação. Pois se assim o fosse, tais homens teriam motivos para se gloriar dizendo : " eu escolhi a Deus". No calvinismo tais motivos não existem visto que, para esta cosmovisão,  Deus é o único que produziu PARA a nossa eleição e salvação.

Soli Deo Gloria

Álvaro Rodrigues


2 comentários:

  1. hola visitando tu blog, te dejo un afectuoso saludo desde mi blog www.creeenjesusyserassalvo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. A salvação é pela graça é dom de Deus, por meio de Cristo Jesus. Parabéns pela reflexão que edifica e ensina. Deus abençoe esse ministério aqui.

    ResponderExcluir